Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ontem, caminhada pelo Vale Glaciar.

Sexta-feira, 02.05.14

Depois da nossa magnífica manhã velocipédica, uma tarde memorável.

Uma caminhada pelo percurso a que dão o nome de Amigos da Serra.

 

Partida junto à vila de Manteigas.

 

Início da caminhada.

 

Posso afirmar que, de todas a que fiz, esta é "Topo de gama".

 

Passados alguns minutos, a paisagem começa a ser deslumbrante.

 

Depois da forte manhã em BICI, nada melhor que uma tarde a caminhar.

 

Finalista das 7 maravilhas naturais de Portugal, o Vale Glaciar do Zêzere faz-se percorrer pelo seu interior ao longo da Rota do Glaciar, desbravando um caminho de singular beleza.

 

Que presentes tem a nossa Estrela para nós!!!

 

Um pouco mais acima era visível a alto do Cabeço da Azinha.

 

Mas... toca a marchar!

 

Uma pausa e mais umas goladas de água, são o melhor tempero desta encosta.

 

Alguma vegetação ajuda a "limpar o pó".

 

E quanto mais subimos, mais impressionados ficamos.

 

Ao longo da nossa caminhada éra possível contemplar todo o Vale Glaciar do Zêzere, um dos melhores exemplos da modelação da paisagem pelos glaciares, em forma de “U”. Apesar de se tratar de um vale glaciar e por isso muito aberto, as encostas são muito íngremes, cobertas de bolas graníticas e caos de blocos, principalmente na base das linhas de água. 

 

 

As Rotas do Glaciar, compreendida nos três andares altitudinais (basal, intermédio e superior), oferecem-nos uma perspectiva alargada das características morfológicas de Manteigas e da Serra da Estrela, vincada pelas diferentes tipologias de paisagem. 

 

Sob o ponto de vista paisagístico, o trilho encerra um conjunto de valores naturais e culturais de interesse inestimável. Destacam-se os inúmeros vestígios da acção glaciárica e de uma vegetação natural com espécies endémicas e outras de distribuição rara, vestígios que assinalam a presença do Homem na região desde os tempos mais remotos.

 

No fundo do Vale Glaciar do Zêzere é possível observar os pastos verdejantes, os rebanhos de ovelhas, as casas típicas da serra – “cortes” e a Vila de Manteigas perfeitamente encaixada no vale. 

 

... e sempre a subir...

 

Cada vez mais me surpreendia  este Vale.

 

Já perto do final da nossa primeira parte...

 

Aproveitamos para repor energias.

 

Algumas fotos para a posteridade...

 

E com o cair da tarde, o regresso a Manteigas.

 

Brevemente voltaremos para subir à Nave da Mestra.

 

Amanhã há ciclismo... a Monsanto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:18