Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Finalmente, Arrábida incluída no currículo...

Domingo, 23.10.16

Hoje subi a Arrábida pela estrada panorâmica ao encontro de paisagens deslumbrantes. Vários miradouros naturais surgem como que do nada por entre as curvas da Arrábida e apetece encostar a bici a cada cinco minutos.

 

Praia da Figueirinha foi rampa de lançamento à subida da Arrábida... UM SONHO DE SUBIDA!

 

Figueirinha

 

E vamos lá desfrutar...

 

Paisagens de cortar a respiração...

 

Um passeio pela Arrábida pode começar pelo sopé, pela zona balnear. Ao longo da costa aguardam várias praias, de areia fina e quente, refrescada pelo oceano. A daFigueirinha é das maiores e das mais conhecidas, onde o parque de estacionamento facilita o acesso.

 

Por entre o verde da vegetação do Parque Natural abrem-se clareiras que desvendam perspetivas ímpares das praias e do mar e, num segundo, a imponência da Natureza lembra-nos como a beleza pode assumir as mais variadas formas.

 

A serra da Arrábida possui uma enorme riqueza paisagística, por ser uma barreira entre o litoral e o interior, possuindo também vegetação exuberante, de cariz mediterrânico. As suas arribas litorais são de uma beleza ímpar, por serem uma transição abrupta entre o meio marinho e terrestre apresentando escarpas com importantes particularidades geomórficas.

 

A Arrábida é formada por uma multiplicidade de paisagens com características raras, mesmo únicas no contexto nacional e internacional.
A sua orientação voltada a sul é única na costa ocidental portuguesa e oferece uma proteção muito eficaz contra os ventos dominantes de norte.

 

A meio do trajeto surge a entrada para o Convento da Arrábida, que, desde 1542, salpica harmoniosamente de branco a encosta verdejante. Para se realizar uma visita, de resto bastante aconselhável, é preciso fazer marcação na Fundação Oriente, atual entidade proprietária.

 

O resto do passeio faz-se de volta a Setúbal, pelo topo da serra, sempre com miradouros, como o da Santa e o das Antenas, a desafiarem para mais paragens e a adiarem o regresso à cidade.

 

E pronto amigos, no regresso um calor humano ímpar à minha espera... 

 

Pelotão Cavaca ordenado após etapa Covilhã-Lisboa.
A registar a exemplar participação de Victor Barbas que em dois meses e meio ocupa já o 15º lugar com 18 presenças nas nossas aventuras.
Bruno Gonçalo subiu de 40º para 34º lugar.
Vitor Marques subiu de 46º para 40º lugar.
Restantes reforçaram posições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 23:07