Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



São Pedro, esgotamos a paciência!

Sexta-feira, 08.03.13

Opinião unânime, isto anda a passar a mais, e hoje manifestamos o nosso descontentamento!

Manifestantes, José Carlos, José Cavaca e Armando Oliveira.

A volta foi quase a planeada, digo quase porque a chegar à Vela tivemos que recuar. Uma autêntica tromba de água fez-nos encurtar a volta 5km, precisamente o traçado que nos levaria à aldeia da Vela. 

 

Saída da Covilhã,,, trânsito é como se vê. Ciclistas em perigo eminente.

 

À passagem pela Gaia a coisa ficou muito preta.

Uma autêntica tromba de água abateu-se sobre nós, impedimdo-nos de visitar a Vela.

Foram 15km debaixo de chuva intensa, só respiramos um pouco em Belmonte.

 

Aqui em Belmonte, e depois de várias tentativas, consegui que a máquina funcionasse.

 

Algum vento e uma pequena subida de temperatura, quase secavam a roupa.

 

Mas no Casteleiro a chuva voltava para nos fazer companhia. 

Nós manifestamos o nosso descontentamento cantando a dança da chuva durante o percurso.

A Grandola Vila Morena não resultava!

 

Mas o prometido é devido, e a máquina ajudou... funcionou à entrada do Escarigo.

É conhecido como a aldeia mais a norte de um conjunto de três (Escarigo, Quintãs e Salgueiro). Este conjunto de aldeias é conhecido como "Três Povos". É também a aldeia mais a norte do concelho do fundão fazendo fronteira com os concelhos vizinhos de Belmonte, Penamacor e Sabugal.


Terra do nosso estimado Francisco Carrola, a sua casa é bem visível, a mais alta da imagem.


 Esta freguesia que está a envelhecer bastante, isto devido à falta de incentivos por parte das autoridades competentes para a criação de condições que fixem os jovens, a maior parte da população com menos de 25 anos apenas volta nos fins de semana ou nas férias... altura em que nós por aqui passamos, mas jovens e bonitas raramente as vemos.


Embora existam 2 cafés, uma mercearia, umas bombas de combustível, uma empresa de terraplanagens, uma empresa de construção civil, uma loja de venda de materiais para construção civil, é a agricultura que ocupa mais de metade da população, desta população agrícola talvez 80% são reformados, não são as condições suficientes para que a população cresça... falta uma casa de bicicletas!


Despedimo-nos em modo festivo. A aldeia tem como dia de feriado, o 20 de Janeiro, dia do santo padroeiro, o mártir São Sebastião, que tem uma festa nesse dia, embora a maior festividade seja sempre no segundo fim de semana de Agosto, altura em que a aldeia triplica a população devido ao regresso de quase todos os emigrantes. Para além desta festa existe ainda outra dedicada à Sr.ª da Conceição que se realiza no dia 8 de Dezembro, e mais uma dedicada ao Divino Espírito Santo que se realiza no dia dedicado a este. Em Setembro organiza-se também a chamada festa da paróquia, que se comemora com um almoço ao ar livre entre a população e com uma tarde de convívio entre conversas, jogos e outras animações. Voltaremos!


E como a chuva teimava em não nos largar, pensamos em regressar a casa.


Como já vem sendo hábito, a nossa chegada coincidia com a partida da chuva.

Chuva que, durante a tarde nem a vi,,, mas amanhã vingo-me!


  

AMANHÃ SE NÃO CHOVER

 

SAÍDA DOS ARCOS ÀS 8h 30m.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:16


3 comentários

De Silvério Correia a 08.03.2013 às 18:38

Aqui esta uma demonstração clara e objectiva do amor pelas "amantes", neste caso as "elegantes"!!!
Está muito bem, ou não fosse este o hobby/desporto, por quem nos apaixonámos e com quem "casamos", embora elas sejam só "amantes"! Logo é para a sempre, tanto nos bons como nos "maus" momentos! :)
Parabéns
ABRAÇO para TODOS
Silvério

De Lourenço a 08.03.2013 às 22:02

Ola

Espero que amanha de manha não chova, para dar a 1.º volta com a minha nova amiga.

Abraço

De bcmantunes a 09.03.2013 às 15:10

Viva amigo José Cavaca & C.ª.
Se não fosse a inconveniente chuva teria sido uma bela saída, bem como as imagens partilhadas.
É sempre preferível ouvir o bom senso. A segurança deve velar pela integridade física.
Não faltarão oportunidades…! O ano tem 365 oportunidades. Se ficarmos doentes perdemos, com sofrimento, parte dessas oportunidades.
Caríssimo J. Cavaca, obrigado pela partilha de imagens que em condições difíceis conseguiu. É sempre agradável receber notícias das nossas Terras que o amigo Cavaca muito bem sabe transmitir. Desejo tudo de bom.
Abraço,
Belchior Madeira Antunes

Comentar post