Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Hoje, por terras históricas.

Sábado, 28.01.12

Cavaca 1

 Sem receio ao frio, e desejosos para pedalar por terras como Orca, Proença-a-Velha, Idanha-a-Nova, e Idanha-a-Velha, possuidoras de um vasto património e de incalculável valor arqueológico,,, eu o José Cavaca, o nosso lesionado Guilhermino Pais, e o trepador David Fernandes.

Percurso: Covilhã, Fundão, Vale de Prazeres, Orca, Proença-a-Velha, Idanha-a-Nova, Alcafozes, Idanha-a-Velha, Medelim, Aldeia de João Pires, Penamacor, Capinha, Peroviseu e Covilhã, totalizando mais 145km de ciclismo bem divertido. Perto da Capinha, já de regresso, o amigo Zé Carlos foi ao nosso encontro.

 

Cavaca 2

Saímos da covilhã com zero graus, mas depressa os envergonhamos.

 

Cavaca 19

Este é o nosso Guilhermino, hoje doeram-lhe os joelhos!!! mas foi só hoje.

 

Cavaca 3

Do alto da Gardunha, uma vez mais não resisti em registar a nossa Cova da Beira.

 

Cavaca 4

Descia-se agora a Gardunha no sentido de Vale de Prazeres e Orca.

 

Cavaca 5

Passagem na aldeia da Orca.

Há evidências arqueológicas que habitantes do Mesolitico pecorreram esta região entre 8000/7000 AC. No entanto desconhecemos se essa presença era permanente ou meramente temporária. Hoje nós, foi só de passagem.

 

Cavaca 6

Esta é a boa estrada entre Proença-a-Velha e Idanha-a-Nova.

 

Cavaca 7

A nossa entrada na grande e bonita Vila de Idanha-a-Nova.

 

Cavaca 8

Vila sede de concelho, composto por 17 freguesias, é o segundo maior concelho do país, em termos geográficos.

As suas origens históricas não se conhecem com precisão, mas pensa-se que a construção do Castelo, em 1187, por Gualdim Paes, mestre da Ordem do Templo, constitui um marco importante. Em 1206, D. Sancho I, atribui-lha o título de vila e para a distinguir da antiga Idanha-a-Velha (Egiptânia), denominou-a de Idanha-a-Nova.

 


Cavaca 9

Do alto da Vila de Idanha, obtem-se uma bonita panorâmica da Senhora da Graça.

 

Cavaca 10

E aqui na Sra da Graça começava a subida mais penosa do dia.

 

Cavaca 11

Subida durinha que terminava aqui em Alcafozes.

Pouca gente sabe, mas aqui existe a ermida Santuário da Senhora do Loreto, a Padroeira Universal da Aviação, venerada numa importante festa religiosa e popular que decorre anualmente, no primeiro fim-de-semana do mês de Setembro, em cujas cerimónias religiosas se fazem representar as companhias de aviação civil e a aviação militar do País.

 

Cavaca 12

Agora rolava-se com vento de frente rumo a Idanha-a-Velha.

 

Cavaca 13

Ao fundo é visivel o monte de Monsanto, e aqui em baixo a nossa Idanha-a-Velha, pequena aldeia de ambiente pitoresco, pelo notável conjunto de ruínas que conserva. ocupa um lugar de realce no contexto das estações arqueológicas do País. Ergue-se no espaço onde outrora existiu uma cidade de fundação romana (séc. I a.C.), inserida no território da Civitas Igaeditanorum, tendo sido, mais tarde, município romano. Uma inscrição datada do ano 16 a.C., onde consta que Quintus lallius, cidadão da Emerita Augusta (Mérida) "deu de boa vontade um relógio de sol aos Igeditanos", testemunha a existência no núcleo urbano nesse momento cronológico. Em 105, a povoação aparece referida numa inscrição da monumental ponte de Alcântara - importante obra de engenharia romana - como um dos municípios que contribuíram para a sua construção. Diversos vestígios evidenciam, ainda hoje, essa permanência civilizacional: entre outros, o podium de um templo no qual assenta a Torre dos Templários; a Porta Norte e respectiva muralha; um conjunto excepcional de lápides funerárias e variado espólio disperso.

Meus amigos, sobre esta aldeia ficaria aqui toda a tarde a escrever.

 

 Cavaca 14

Seguiu-se Medelim, é designada como a Aldeia dos Balcões. Ao todo a aldeia de Medelim tem mais de 200 balcões.

 

Cavaca 15

Já na Aldeia de João Pires, esta fica situada a 9 kms a sul de Penamacor, sede de concelho.
Circundam-na as freguesias de Aldeia do Bispo (2 kms), Aranhas (3 kms), Salvador (6 kms) e Medelim (7 kms - Idanha-a-Nova), freguesias que percorremos muitas vezes durante o ano.
O topónimo da freguesia atribui-se, segundo a lenda ao facto de um homem abastado, nesta terra, de nome João Pires, residente em Monsanto (ou no Alentejo) ter sido assassinado pelos habitantes da povoação (Aldeia de João Pires).

 

 

 Cavaca 17

E Penamacor,  ponto quase obrigatório de passagem pela sua posição geográfica.

O povoamento é muito antigo. A arqueologia dá-nos conta de habitats humanos que remontam ao Neolítico, mas é a partir do final da 2ª Idade do Ferro que a história deste território se começa a escrever. Quando os romanos chegam, encontram forte resistência por parte das tribos lusitanas que aqui habitam, que se opõem tenazmente às poderosas e bem equipadas legiões imperiais durante cerca de um século.

 

Cavaca 18

Já com a presença do amigo Zé Carlos, pedalava-se agora rumo a casa.


Cavaca 20

Ultima subida do dia, e a Covilhã era já ali.

 Para trás ficou mais uma histórica volta por terras e aldeias históricas.

 

AMANHÃ HÁ MAIS CICLISMO.

 

 SAÍDA DA SRA DO CARMO ÀS 9 HORAS RUMO AOS ARCOS.

 

DOS ARCOS SAÍMOS ÀS 9H 30M RUMO AO FUNDÃO (café).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 15:04


1 comentário

De Carlos Pereira a 28.01.2012 às 16:31

Amigo Cavaca, do alto de Idanha-a-Nova quase que se avista o Ladoeiro , minha terra natal.
Grande abraço e boas pedaladas.

Comentar post