Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Não te equecemos Rui Almeida.

Terça-feira, 05.07.11

Partiste para uma pedalada infinita, na tragica verdade do incompleto.

 

Saudade não tem forma nem cor; não tem cheiro nem sabor.
Fala-se nela, mas não se vê; só pensa nela quem acredita.
Ela é parte da ausência; ela tem realidade, mas quem a tem sente dor, uma dor miudinha, que cresce e que nunca vem sozinha…
Acompanha a solidão; quem a sente nunca esquece, e o sentimento  não adormece, por alguém que não está!

 

Continuas nas nossas voltas, raramente faltas, raramente não falamos no Sr. Rui.

 

José Cavaca

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 01:52


7 comentários

De Zé Carlos a 05.07.2011 às 07:13

O homem da corda...!

Parece que foi ontem… mas já lá vão 7 anos que o nosso amigo (SRº RUI) como eu e a maior parte o tratava nos deixou. Sempre o chamava de senhor porque sempre nos mereceu todo o respeito, foi de facto 1 grande Senhor na bicicleta e fora dela..
Histórias. Tenho muitas, belas recordações mas hoje lembrei-me da alcunha como era tratado no ciclo turismo Caldas/Badajoz ,onde a nossa equipa dos (Padeiros) foi muitos anos.. sua alcunha era o homem da “corda” pois o nosso carro de apoio tinha uma corda que apenas ele tinha coragem e destreza para se agarrar.. Parecia fazer surf… de bicicleta…e os outros participantes do evento, quando viam a nossa carrinha de apoio.. diziam logo” olha lá vem o homem da corda..!”

Esta é apenas uma das mil recordações que tenho em minha memoria pois passamos milhares do horas pedalando lado a lado… aproveito também este espaço para saudar os seus familiares… grande abraço a todos e apareçam sempre pois é sempre bom ir falando de quem nos fez tanto bem….

Até sempre…. SRº Rui…..

Carlos/padeiro

De Carlos Almeida a 05.07.2011 às 11:36

Bom dia a todos,
Em primeiro lugar quero agradecer ao Sr Cavaca este seu gesto, e é nos pequenos gestos e atitudes que se vê a grandeza das pessoas. Sr Cavaca visito o seu blog regularmente, para além do ciclismo é toda a nossa bela região Beirã que revejo com fotografia de grande qualidade e no seu grupo também conheço algumas pessoas, particularmente o Zé Carlos, que já vi que está a retomar a forma (FORÇA), que conheci através do meu irmão.
Neste dia mais um ano passa, as pessoas partem e fica a memória, a recordação e a saudade de quem já não regressa, fisicamente não estão connosco , mas estão no nosso coração e no nosso espírito todos os dias, e um dia todos estaremos juntos.
Mais uma vez, mt obrigado sr Cavaca.
Boas pedaladas.
Abrço.

De PiRoLiTO a 05.07.2011 às 17:02

Companheiro Rui

A vida é um ciclo.
Que saudade da tua presença, das tuas anedotas, dos teus arranques ("ás vezes tento imitar-te") do barulho, das tuas gargalhadas e das tuas travessuras.
Sim,,, saudade de estares ao nosso lado nos dias e momentos em que pedalamos.

Sempre presente,,,,, vemo-nos nos trilhos e estradas do espaço celestial.

Lopes Simões, vulgo mutos pseudónimos.

De Augusta Almeida a 05.07.2011 às 20:10

Olá a todos,

Como irmã do Rui também agradeço o não esquecimento, porque quem o conheceu nunca o esquece. As saudades continuam e não se matam, as recordações / memórias são boas e para serem vividas todos os dias, é verdade que "continua connosco" sempre!

Obrigada.

Augusta Almeida

De Zé Almeida a 05.07.2011 às 22:01

Tive a sorte e o privilégio de ter sido Amigo e Irmão do Rui. (que saudades mano)
Tenho a sorte e o privilégio de ver que há pessoas que pensam como eu em relação ao Rui (mesmo não sendo familia) Um grande abraço e obrigado a todos por me ajudarem a transportar esta eterna saudade do meu maior cumplice e amigo.
Até sempre
Zé Almeida

De Helder Torres a 05.07.2011 às 23:25

Infelizmente não tive o prazer de o conhecer, mas quero desejar-lhe,onde estiver, saudações ciclisticas, e dizer-lhe "ATÉ SEMPRE".

Helder Torres

De voz do goulinho a 07.07.2011 às 09:18

Um lindo poema amigo Cavaca e eu que tanho a mania de ser poeta isto para mim é uma lição.

Dizem que sou um poeta
Mas eu poeta não sou
Brinco com as palavras
Nem sei as voltas que dou.

Um Abraço
António Assunção

Comentar post