Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Luis Paiva

Terça-feira, 09.02.10

Faleceu o meu amigo Paiva, pedalei com ele muitas e muitas horas, foi com o ele que teve início a minha paixão pelo ciclismo, e foi com ele a minha primeira grande volta e aventura de bicicleta, ir da Covilhã à cidade da Guarda e voltar, isto em 1985. Muitas historias tenho deste amigo, mas uma merece ser narrada; Nesse dia chovia, saímos da Covilhã, eu, João Rato e o amigo Paiva, para uma volta pelo Fundão, Silvares, Minas, Ourondo, Paul e Covilhã. Depois de passar Silvares, no alto tinhamos que virar à direita para o Cabeço do Pião, como havia nevoeiro e o Paiva vinha um pouco atrasado, não viu o cruzamento e desconhecendo a estrada, seguiu em frente. Eu e João Rato esperamos algum tempo na outra margem do rio, mas o Paiva não apareceu, como não havia telemoveis não lhe podiamos ligar, supusemos que voltasse para casa devido à chuva e nevoeiro. Enganámo-nos, o Paiva sempre na expectativa de nos ver, andou tanto que só perto de Pampilhosa, se apercebeu do engano. A fome apareceu, e Paiva teve que pedir comida para regressar a casa só ao final do dia.

 

Foi também atleta do Sporting da Covilhã (Guarda-redes) e era ainda novo para passar à outra margem da vida.

 

Luis Gonçalves de Paiva

 

18-11-1945                 7-2-2010

 Paz à sua alma.

 

Aguardo  fotos que me foram prometidas por familiares. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 08:15


7 comentários

De Anónimo a 09.02.2010 às 12:01

Lembro de um dia em que vinhamos de Seia para a Torre, estava muito calor e também lhe deu um desfalecimento na zona dos tubos, logo a seguir ao Sabugueiro, chegou a deita-se na estrada, e também pediu comer a uns turistas que estavam a almoçar à sombra dos pinheiros ao nosso lado direito, lembro-me como se fosse agora, nós rimos, mas depois riu ele ao passar por nós. Era um homem directo, sem quaisquer preconceitos, pedalei pouco com ele, mas valeu a pena ter conhecido o Luis Paiva.

Quando todos nos juntarmos, vamos recordar mais historias.
Que em paz descanses amigo.

De José Cavaca a 09.02.2010 às 17:09

Caro amigo, eu ía lá nesse dia, mas gostava de saber quem é o autor deste comentário, pois já não recordo muito bem quantos, e quem eram os participantes, sei que fomos por Manteigas, subimos às Penhas Douradas, descemos para o Sabugueiro e subimos à Torre. Aguardo se possivel uma resposta.

José Cavaca

De rogerioelvas a 09.02.2010 às 16:24

Grande Homem,também jogou futebol em Belmonte

De José Cavaca a 09.02.2010 às 16:31

Boa tarde Sr. Rogério e grato pelo comentário, ainda mais que veio acrescentar algo que não sabiamos. Também sou assíduo seguidor dos distritais, e lamento que alguns clubes tenham terminado sua actividade como o Belmonte.

Sempre ao dispor.

José Cavaca

De Nuno Marques a 09.02.2010 às 17:23

Conheci o Paiva, exímio guarda-redes do Grupo Desportivo Teixosense, no ano de 1979 em que venceram o Campeonato Distrital de Futebol de Castelo Branco tendo subido à 3ª divisão. Nessa altura ia sempre aos treinos do GDT (meu pai era jogador e mais tarde treinador), onde me deliciava a servir de "aguadeiro" nos treinos. Na entrada de casa de meus pais existe uma foto do primeiro jogo na 3ª divisão, onde o amigo Paiva exibe com orgulho o equipamento com o Nº 1.
Em ano que não sei precisar, num sprint vigoroso na Variante de acesso à Covilhã, o Paiva cai e fica com um ombro muito mal tratado. Infelizmente o ciclismo tem destas maleitas.
Agora foi chamado a jogar a Guarda-Redes e a pedalar por outra equipa, mais longe do olhar, mas sempre presente no coração. Paz à sua alma!

De João Rato a 09.02.2010 às 23:53

Sim, lembro-me do Sr. Paiva e de quando o meu Tio Alex nos apresentou. Desde então algumas boas voltas demos juntos... Sempre fiquei com a agradável sensação de ter conhecido um homem honesto e de respeitável companhia.

Os sentimentos para os familiares, Joao Rato

De António Lebre a 10.02.2010 às 00:12

Nos tempos em que eu não falhava um jogo no velhinho Santos Pinto, vi jogar o Paiva muitas vezes, paz á sua alma.
Lebre

Comentar post