Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hoje foi pela nossa Estrela.

Quarta-feira, 20.09.23

1 (65).jpg

Pela Estrela, amor ao ciclismo e paz na natureza,,, manhã ímpar!
Escalada paradisíaca
Musical de vento e nuvens
Pela intocada Estrela.
Bem haja Vitor Marques e Kevin Sá.
 

(1) (49).jpg

Hoje o cafezinho foi na melhor das companhias, que me desculpem os amigos, mas... ADORO CÃES!

 

(2) (48).jpg

Cafezinho no centro da Covilhã, oferta de Vitor Marques.
Bem haja amigo.

 

(3) (44).jpg

... depois de tantos romantismos, vamos lá escalar a nossa Estrela.

 

(4) (44).jpg

... fácil... já não me lembrava que era tão fácil subir a Estrela pela Covilhã... Talvez por o Kevin servir de "motor".

 

(5) (47).jpg

Tudo aberto, até os pulmões!!!

 

(6) (44).jpg

Acreditar, e eu até acredito... é a força que nos permite ultrapassar limites...

 

(7) (46).jpg

Oh, Estrela
És cheia de beleza
Impossível não contemplar
Tudo que em ti há
O céu azul
Que me faz subir sentado
O sol e o vento
A brisa de um momento
Nos ajoelhamos a ti agradecendo.
 

(8) (36).jpg

A serra da Estrela em toda a sua grandiosidade é um aglomerado de vida, magia e de muitos locais ainda por descobrir.

 

(9) (33).jpg

Serra da Estrela...
Mãe de três importantes rios nacionais, faz brotar o Mondego, o Zêzere e o Alva. É por entre vales glaciares e altos montanhosos, por fios de água e nascentes que maravilhas naturais acontecem.
 
 

(10) (39).jpg

Alta, imensa, enigmática, a sua presença física é logo uma obsessão... eis a nossa Estrela.

 

(12) (33).jpg

A esta serra que há muito chamam de Estrela, os romanos deram o nome de “Herminius mons” – os montes de Hermes, que ainda hoje uma zona serrana é referida como Montes Hermínios.

 

(14) (32).jpg

Agora vamos descer o Vale Glaciar do Zêzere, 13kms de extensão, um dos maiores da Europa, maravilhosa dádiva da Natureza e, ao mesmo tempo, uma lição a céu aberto sobre os vestígios da última época de glaciação, há milhares de anos.

 

(15) (27).jpg

No início da descida do Vale Glaciar, ficam nas nossas costas os Cântaros. As suas formas características resultam da ação da erosão glaciária e fluvial, reconhecendo-se três cântaros: o Cântaro Magro, que alcança cerca de 1928 metros de altitude, é visível de vários pontos da Serra da Estrela; o Cântaro Gordo, com uma altitude máxima de 1875 metros, e por último o Cântaro Raso a 1916 metros. De difícil acesso, o miradouro na estrada nacional 338 constitui um dos melhores locais para observar estes rochedos tão imponentes.

 

(17) (28).jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 15:16






pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2023

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



links

O tempo

Visite...



comentários recentes

  • José Cavaca

    Bom amigo, é com alegria que mais um amigo se "dec...

  • Anónimo

    Bom dia Cavaca,fomos colegas de tropa em Paço Darc...

  • javi calvo

    buena ruta amigos !! Veo que Ignacio os acompaña t...

  • José Cavaca

    Gracias companheiro, forte abraço.

  • javi calvo

    Muy buen arranque de año amigos!! Feliz 2023..!!!J...




subscrever feeds