Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A maravilhosa Rota das Faias.

Terça-feira, 19.11.19

(1).jpg

A Rota das Faias possibilita a descoberta de algo novo e surpreendente a cada instante, desde a vegetação esplendorosa a paisagens fulgurantes, que juntamente com a agricultura e a pastorícia proporcionam um passeio perfeito para quem deseja conhecer a serra, as suas gentes e costumes.

 

(2).jpg

Manteigas.

 

(3).jpg

Mais do que um trilho pedestre, a Rota das Faias é uma experiência sensitiva, onde os odores a rosmaninho, hortelã-brava, alfazema e tomilho se fundem com magníficos quadros que rodeiam o olhar de quem os observa.

 

(5).jpg

Vamos lá subir, subir subirrrrr.....

 

(4).jpg

A sua denominação advém do facto deste percurso mergulhar no interior de uma densa floresta de faias, plantada pelos Serviços Florestais de Manteigas no início do século XX.

 

(10).jpg

 

(6).jpg

 

(7).jpg

Na paisagem natural sobressai o Vale Glaciar do Zêzere, em forma de “U”, a Torre, o Cântaro Magro, o Cântaro Gordo e as Penhas Douradas.

 

(8).jpg

O contacto com a vida rural e pastoril é uma tónica presente ao longo do trilho, uma vez que o mesmo é utilizado por pastores para se deslocarem com o seu gado até aos locais de pastoreio, permitindo eventuais interacções com quem percorre a Rota.

 

(9).jpg

*****

 

(16).jpg

São Lourenço oferece uma vista panorâmica para o acumular de serras que se estende até Espanha. Em 1º plano surge a cumeada da Lomba das Cancelas, que limita a Beira Alta da Beira Baixa, e o Cabeço da Azinheira.

 

(15).jpg

Os povoamentos florestais, os matos e as linhas de água presentes, proporcionam diversidade faunística. De salientar a existência de mamíferos como a raposa, a fuinha, a doninha ou o javali. Nas aves, o peneireiro, a coruja e o corvo. Os répteis são representados pela víbora cornuda, pela Lagartixa-do-mato ou pelo sardão.

 

(14).jpg

*****

 

(11).jpg

O Outono é a estação de eleição para se caminhar por uma floresta de folhagem caduca. É nesta altura que as cores quentes das árvores atingem a saturação máxima.

 

(12).jpg

Estação triste? Frio? Aguaceiros? Que nada disto vos impeça de sair de casa e procurar um bosque de faias ou castanheiros. A experiência será inesquecível, um deleite para os olhos e uma verdadeira revitalização da alma.

 

(13).jpg

Que nome bonito para um trilho. Dá logo vontade de ir, não é? E se for para ir, então, Novembro é o mês ideal para o fazer.

 

(36).jpg

Também visitamos a Capela de São Lourenço, local de passagem na Rota das Faias, esta encontra-se rodeada por carvalhos e no Solstício de Verão, quem está em Manteigas vê nascer o sol sobre S. Lourenço.
Tal panorama leva-nos a crer que no local se praticavam cultos pagãos, ligados à adoração das árvores e do sol.

 

(20).jpg

Para além de varias espécies, também há a destacar o castanheiro, a giesta, o Pinheiro-do-Oregon e os imponentes carvalhos monumentais que rodeiam a Capela de S. Lourenço, lugar de culto de reminiscências pagãs, relacionadas com a adoração das árvores e do Sol – no solstício de Verão, quem está em Manteigas vê o sol nascer sobre S. Lourenço.

 

(17).jpg

Da Capela de São Lourenço também se avista a encosta do Poço do Inferno.

 

(18).jpg

... e todo a Vale das aldeias de Sameiro e Vale de Amoreira.

 

(34).jpg

O outono traz uma harmonia diferente para a natureza, ela reflete-se na vida e nos faz ver o quão igual é à humanidade... Tudo cai, mais cedo ou mais tarde.

 

 

(19).jpg

Até pró ano Capela de São Lourenço.

 

(24).jpg

As Faias são árvores de folha caduca que, nesta altura do ano, ficam amareladas, alaranjadas e acastanhadas e que, seguindo os ciclos próprios da mãe natureza, se despedem da altura das copas e atapetam o chão.

 

(21).jpg

O cenário é mágico e o chão é fofo. É como caminhar nas nuvens e não há como não se sentir no céu.

 

(22).jpg

*****

 

(23).jpg

*****

 

(25).jpg

 

(26).jpg

 

(27).jpg

 

(29).jpg

 

(30).jpg

 

(31).jpg

 

(32).jpg

 

(33).jpg

 

(35).jpg

Voltaremos!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:22