Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Domingo, ao centro de Paradanta.

Quinta-feira, 28.11.19

mapa.jpg

Mapa

 

perfil.png

Perfil

 

porm.png

 

Partida dos Arcos às 8:30

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 21:25

Pelotão Cavaca, forever...

Quarta-feira, 27.11.19

A vida é curta, mas as emoções que temos criado vão durar uma eternidade. 

Pelotão Cavaca sempre na mesma direção...

... mas a gratidão tem memória curta.... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 11:35

Inscreve-te no 12º Jantar de Natal

Segunda-feira, 25.11.19

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 11:56

Rota da Pedra d´Hera

Segunda-feira, 25.11.19

101.jpg

Hoje foi dia da Rota da Pedra d´Hera, caminhada que une o Fundão ao monte a que é sobranceiro e que sustenta a rocha que pertence memória colectiva dos fundanenses dando nome a este percurso pedestre: a Pedra D’Hera.

 

100.jpg

A Rota da Pedra d'Hera que pertence à rede de percursos pedestres do Fundão e desenvolve-se numa das encostas da Serra da Gardunha.
Une o Fundão ao monte a que é sobranceiro e que sustenta a rocha que pertence à memória coletiva dos fundanenses, dando nome a este percurso pedestre: a Pedra D’Hera. Miradouro natural por excelência, está envolto num coberto vegetal e linhas de água cristalina que criam habitats propícios ao aparecimento e desenvolvimento de inúmeras espécies de fauna e flora.

 

18.jpg

10.jpg

12.jpg

5.jpg

11.jpg

8.jpg

2.jpg

9.jpg

Pela Pedra D’Hera, miradouro natural por excelência, está envolto num coberto vegetal e linhas de água cristalina que criam habitats propícios ao aparecimento e desenvolvimento de inúmeras espécies de fauna e flora.

 

4.jpg

1.jpg

21.jpg

3.jpg

13.jpg

14.jpg

15.jpg

16.jpg

19.jpg

20.jpg

24.jpg

22.jpg

23.jpg

Voltaremos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 09:49

DIRÃO DA RUA... Nome invulgar que causa estranheza!

Domingo, 24.11.19

cavaca 1.jpg

Pelotão Cavaca como sempre, a conhecer e dar a conhecer, e hoje visitaram esta lindíssima aldeia, Rui Ferreira, Manuel Ribeiro, Miguel Ângelo, José Cavaca, Marco Ribeiro, Sergio Duarte Rodrigues e Henrique Manso.
93 km com muita história... vamos tentar explicar...

cavaca 2.jpg

Pelotão Cavaca às 8:15 dava início à etapa de Dirão da Rua, hoje sim, com ótimas condições para se desfrutar da Volta.

 

cavaca 3.jpg

Sem vento, sem chuva,,, que dirão os residentes de Dirão da Rua pelo nosso atraso de 24h ???

cavaca 4.jpg

Cafezinhos em Casteleiro foram oferta de Manuel Ribeiro.
Bem Haja amigo.

 

cavaca 5.jpg

Momento em que deixamos a EM 542 e entramos na CM 1199 para Dirão da Rua.

 

cavaca 6.jpg

Pelotão Cavaca perto da aldeia de Dirão da Rua.

 

cavaca 6,5.jpg

Miguel Ângelo nas andanças das eólicas...

cavaca 7.jpg

Pelotão Cavaca a entrar na linda aldeia de Dirão da Rua...

 

cavaca 8.jpg

Aldeia de Dirão da Rua... eis a lenda...
A lenda diz que um indivíduo ergueu uma parede para se abrigar do vento, que aqui existe em abundância, mas quando o vento mudou de direção teve necessidade de construir outra e assim sucessivamente, até ter quatro. Terminada esta etapa meteu-se dentro e disse:
– Que dirão os da rua?Assim terá nascido o nome da povoação!

 

cavaca 9.jpg

Em Dirão da Rua os mais velhos contam que todas estas serras, hortas e hortinhas eram dos senhores de Sortelha. Ou seja, segundo esta versão, tudo isto era uma propriedade senhorial! Os quinteiros e trabalhadores, na medida das suas possibilidades, foram comprando pequenas parcelas. Os rendimentos destes servos só possibilitavam a compra de pequenas propriedades; o relevo acidentado, que obrigou à construção de paredes, e a necessidade de dividir o melhor e o pior por todos resultou nas inúmeras hortas e hortinhas. O mesmo processo terá ocorrido com a compra/arrematação dos baldios. Desta forma se explica a existência do minifúndio! Com estas propriedades e a pobreza do solo dificilmente alguém conseguiria enriquecer.

 

cavaca 10.jpg

Houve aqui em Durão da Rua uma quinta pertencente a um aristocrata de Sortelha, tendo ficado conhecida como quinta do Durão da Rua, que seria o nome do rendeiro ou do senhorio e que deu o nome ao lugar, podendo parte do nome derivar do apelido ou alcunha!
Textos de António Gonçalves, historiador que encontramos em Dirão da Rua.

 

cavaca 11.jpg

Como adoro cães, registei a presença deste habitante simpático na aldeia de Dirão da Rua.

 

cavaca 12.jpg

Passagem por Sortelha.

 

cavaca 13.jpg

Linda vila de Caria.

 

cavaca 14.jpg

... e pronto amigos, local de partida e local de chegada, os Arcos.
Bem haja pela vossa presença neste pequeno passeio histórico e desconhecido de todos vos.

 

lista.png

Assim fica ordenado o Pelotão após etapa de Dirão da Rua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 13:14

Domingo, por Terras de Amores Perdidos.

Quinta-feira, 21.11.19

Dirão.png

Perfil da etapa.

 

mapa.jpg

Mapa

 

Pormn.jpg

Pormenores.

Domingo

Partida dos Arcos às 8:15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 12:43

A maravilhosa Rota das Faias.

Terça-feira, 19.11.19

(1).jpg

A Rota das Faias possibilita a descoberta de algo novo e surpreendente a cada instante, desde a vegetação esplendorosa a paisagens fulgurantes, que juntamente com a agricultura e a pastorícia proporcionam um passeio perfeito para quem deseja conhecer a serra, as suas gentes e costumes.

 

(2).jpg

Manteigas.

 

(3).jpg

Mais do que um trilho pedestre, a Rota das Faias é uma experiência sensitiva, onde os odores a rosmaninho, hortelã-brava, alfazema e tomilho se fundem com magníficos quadros que rodeiam o olhar de quem os observa.

 

(5).jpg

Vamos lá subir, subir subirrrrr.....

 

(4).jpg

A sua denominação advém do facto deste percurso mergulhar no interior de uma densa floresta de faias, plantada pelos Serviços Florestais de Manteigas no início do século XX.

 

(10).jpg

 

(6).jpg

 

(7).jpg

Na paisagem natural sobressai o Vale Glaciar do Zêzere, em forma de “U”, a Torre, o Cântaro Magro, o Cântaro Gordo e as Penhas Douradas.

 

(8).jpg

O contacto com a vida rural e pastoril é uma tónica presente ao longo do trilho, uma vez que o mesmo é utilizado por pastores para se deslocarem com o seu gado até aos locais de pastoreio, permitindo eventuais interacções com quem percorre a Rota.

 

(9).jpg

*****

 

(16).jpg

São Lourenço oferece uma vista panorâmica para o acumular de serras que se estende até Espanha. Em 1º plano surge a cumeada da Lomba das Cancelas, que limita a Beira Alta da Beira Baixa, e o Cabeço da Azinheira.

 

(15).jpg

Os povoamentos florestais, os matos e as linhas de água presentes, proporcionam diversidade faunística. De salientar a existência de mamíferos como a raposa, a fuinha, a doninha ou o javali. Nas aves, o peneireiro, a coruja e o corvo. Os répteis são representados pela víbora cornuda, pela Lagartixa-do-mato ou pelo sardão.

 

(14).jpg

*****

 

(11).jpg

O Outono é a estação de eleição para se caminhar por uma floresta de folhagem caduca. É nesta altura que as cores quentes das árvores atingem a saturação máxima.

 

(12).jpg

Estação triste? Frio? Aguaceiros? Que nada disto vos impeça de sair de casa e procurar um bosque de faias ou castanheiros. A experiência será inesquecível, um deleite para os olhos e uma verdadeira revitalização da alma.

 

(13).jpg

Que nome bonito para um trilho. Dá logo vontade de ir, não é? E se for para ir, então, Novembro é o mês ideal para o fazer.

 

(36).jpg

Também visitamos a Capela de São Lourenço, local de passagem na Rota das Faias, esta encontra-se rodeada por carvalhos e no Solstício de Verão, quem está em Manteigas vê nascer o sol sobre S. Lourenço.
Tal panorama leva-nos a crer que no local se praticavam cultos pagãos, ligados à adoração das árvores e do sol.

 

(20).jpg

Para além de varias espécies, também há a destacar o castanheiro, a giesta, o Pinheiro-do-Oregon e os imponentes carvalhos monumentais que rodeiam a Capela de S. Lourenço, lugar de culto de reminiscências pagãs, relacionadas com a adoração das árvores e do Sol – no solstício de Verão, quem está em Manteigas vê o sol nascer sobre S. Lourenço.

 

(17).jpg

Da Capela de São Lourenço também se avista a encosta do Poço do Inferno.

 

(18).jpg

... e todo a Vale das aldeias de Sameiro e Vale de Amoreira.

 

(34).jpg

O outono traz uma harmonia diferente para a natureza, ela reflete-se na vida e nos faz ver o quão igual é à humanidade... Tudo cai, mais cedo ou mais tarde.

 

 

(19).jpg

Até pró ano Capela de São Lourenço.

 

(24).jpg

As Faias são árvores de folha caduca que, nesta altura do ano, ficam amareladas, alaranjadas e acastanhadas e que, seguindo os ciclos próprios da mãe natureza, se despedem da altura das copas e atapetam o chão.

 

(21).jpg

O cenário é mágico e o chão é fofo. É como caminhar nas nuvens e não há como não se sentir no céu.

 

(22).jpg

*****

 

(23).jpg

*****

 

(25).jpg

 

(26).jpg

 

(27).jpg

 

(29).jpg

 

(30).jpg

 

(31).jpg

 

(32).jpg

 

(33).jpg

 

(35).jpg

Voltaremos!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:22

Pelotón Cavaca hoy pedaleando por España...

Sábado, 16.11.19

cavaca 1.jpg

Los buenos amigos ciclistas que se unieron para esta hermosa etapa, Henrique MansoRui FerreiraRui LeitãoIgnacio Berrio Sanchez, Felix Amaro, José CavacaAntonio GomesMarco Ribeiro, Miguel Ângelo e Cesar Borreya. Muy agradecido a los amigos que vinieron de España solo con el propósito de nuestra compañia. Gracias Ignacio Berrio Sanchez, Felix Amaro e Cesar Borreya, sin olvidar el Grande Rui Leitão de Penamacor.

120 km puramente genuinos.

 

cavaca 2.jpg

Pelotão Cavaca partia da Covilhã às 8:15 rumo a Espanha com 1 grau.

 

cavaca 3.jpg

Cuando las arañas se unen, pueden amarrar a un león...

 

cavaca 4.jpg

*****

 

 

cavaca 5.jpg

Passagem por Penamacor rumo a Espanha.

 

cavaca 6.jpg

Cafezinhos em Penamacor hoje foram oferta de Rui Leitão.
Bem Haja amigo!!!

 

cavaca 7.jpg

Tan poderosa es la luz de la unidad que puede iluminar toda la carretera...

 

cavaca 8.jpg

Aranhas.

 

cavaca 9.jpg

Pelotão Cavaca a dar entrada em Espanha.

 

cavaca 10.jpg

Ir a Espanha... até parece ir ali...

cavaca 11.jpg

A lo hecho, pecho... e viva España!!!

 

cavaca 12.jpg

Gallo que no canta, algo tiene en la garganta ... El turrón Ignacio Berrio Sanchez???

 

cavaca 13.jpg

La gran victoria es la que sin sangre se toma... Boca abierta y ojo cerrado.

 

cavaca 15.jpg

Educação, Muita pobreza, Muita Gatunagem e Burocracia, são Graves e Reais problemas portugueses... e nós feitos otários ainda voltamos.

 

cavaca 16.jpg

Penamacor à nossa segunda passagem. Desta feita vindos de Espanha.

 

cavaca 17.jpg

De regresso uma cerejinha no topo do bolo... melhor, a Neve no topo da Estrela.

 

cafes.jpg

 

 

lista.jpg

Pelotão Cavaca ordenado após etapa de Espanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 14:43

Sábado até Espanha.

Quinta-feira, 14.11.19

mapa.jpg

Mapa

 

perfil.png

Perfil

 

pormnores.jpg

Pormenores

 

Partida dos Arcos às 8:15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 11:07

Manhã de sonho por percurso Dourado!!!

Quarta-feira, 13.11.19

cavaca 1.jpg

90 km que pareceram 9 tal o clima Primaveril desta manhã de extrema beleza e muito característico da época, ADORO porque pessoalmente, o outono é mais estação da alma do que da natureza.

 

cavaca 2.jpg

Pelotão Cavaca, 8:45, Sra do Carmo e rumo a uma volta dourada.

 

cavaca 3.jpg

... dizem... Deus não pôs o filho na cruz para nos sentirmos coitados... A vida é curta, vamos lá desfrutar!!!!

 

cavaca 4.jpg

Chegada à vila de Caria, povoação muito antiga, tendo-lhe sido atribuído foral por D. Manuel I em 15 de Dezembro de 1512, e hoje foi palco do meu cafezinho.

 

cavaca 5.jpg

... pedalando pelo Outono, pintando a natureza em belos tons de castanho e muito encanto.

 

cavaca 6.jpg

Subidita para o Casteleiro.

 

cavaca 7.jpg

Passagem no Terreiro das Bruxas.

 

cavaca 8.jpg

chegada à Praia Fluvial o Moinho na Benquerença.

 

cavaca 9.jpg

... a pedalar na praia fluvial o Moinho, fica situada nas imediações de Benquerença, no vale ladeado pelas serras de Santa Marta e da Opa, no meio de campos de cultivo e próxima de outros pontos de interesse turístico.
Pelotão Cavaca 2019

 

cavaca 10.jpg

A Praia Fluvial O Moinho tem uma boa área de banhos, sombras dos amieiros, freixos e salgueiros que constituem também um excelente abrigo para os amantes da pesca, dada a riqueza do local em espécies piscícolas, como bogas, bordalos, trutas, entre outras. É permitido o campismo (gratuito), apoiado por balneários, dispõe de área de serviço para auto-caravanas e um Bar, na imagem que serve vários e bons petiscos.

 

cavaca 12.jpg

A beleza das cores e das folhas que caem para depois renascer...

cavaca 13.jpg

E pronto... chegou o outono para me dizer que é preciso ir embora para que a renovação possa acontecer...

 

(15).jpg

Hoje, outono, um dia sem o café pretendido, mas tornou meus sonhos ainda maiores... 

 

cavaca 14.jpg

Passagem pelo Escarigo.

 

cavaca 15.jpg

Nossa Senhora da Boa Viagem.

 

cavaca 16.jpg

Perseguição ao Pelotão...

 

cavaca 17.jpg

O outono trouxe-nos dias mais pequenos, mas tornou nossos sonhos ainda maiores...

 

cavaca 18.jpg

Até já amigos... vamos lá preparar a Voltinha de Sábado!!!
Pelotão Cavaca sempre a Pedalar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 15:21


Pág. 1/2