Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pelo Cantaro Gordo...

Segunda-feira, 11.05.15

Tarde de muito calor, mesmo a 1900 metros de altitude.

 

Partindo da zona da Torre, demos início à caminhada cerca da 15:00

 

O Magro ficava à nossa direita.

 

Algumas explicações do experiente Albertino.

Os Cântaros Gordo, Magro e Raso são afloramentos graníticos que atingem, respetivamente, 1875, 1928 e 1916 metros de altitude. Visíveis de muitos pontos da Estrela, os Cântaros devem a sua origem à existência de grandes afloramentos rochosos pouco fraturados rodeados por zonas de grande densidade de fraturação, com consequente maior sensibilidade à força erosiva da água e do gelo.

 

Na base da vertente sul do Cântaro Magro encontra-se um filão de rocha dolerítica. Este material, de composição mineralógica semelhante ao basalto, é menos resistente aos fatores erosivos que o granito encaixante, o que originou uma fenda profunda e estreita entre paredes abruptas designada por Rua dos Mercadores.

 

*****

 

*****

 

Paisagens que nos cortam a respiração.

 

E o Cantaro Gordo é já ali?

 

Parece perto, mas leva cerca de uma hora.

 

Havia que descer à direita, e escalar pela esquerda.

O Cântaro Gordo (1.875 m) é um dos cumes incontornáveis da nossa Serra e uma das mais bonitas ascensões que por cá se podem realizar. Menos conhecido que o seu "irmão" Cântaro Magro, mas com uma vista ultra privilegiada sobre os vales, a Torre e o planalto, é uma ascensão relativamente acessível (apesar da exigência física) mesmo para quem não tem experiência prévia em actividades de montanha.

 

Mas temos um guia com muita experiência.

 

Esta é a referida descida.

 

Já na escalada ao Cantaro Gordo.

 

E eis-nos no cume do Cantaro Gordo.

O Cântaro Gordo (1.875 m) é um dos cumes incontornáveis da nossa Serra e uma das mais bonitas ascensões que por cá se podem realizar. Menos conhecido que o seu "irmão" Cântaro Magro, mas com uma vista ultra privilegiada sobre os vales, a Torre e o planalto, é uma ascensão relativamente acessível (apesar da exigência física) mesmo para quem não tem experiência prévia em actividades de montanha.

 

*****

 

Vamos à descida.

 

Início da descida pelo lado Oeste.

 

Descida que exigia alguns cuidados.

 

Confesso que, mesmo desgastado do fim de semana velocipédico, não tinha vontade de terminar,,, esta Serra é um DÓPING NATURAL.

 

Uma pequena pausa para repor energias...

 

E final da nossa reportagem e caminhada.

Apenas um reparo... UMA TARDE MUITO BEM PASSADA!

 

Até à próxima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 09:57