Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hoje, uma colorida volta.

Quinta-feira, 28.02.13

 As colinas verdejantes, árvores em tons de rosa e laranja, algumas nuvens, e o céu em tons de um forte azul, harmonizaram um pano de fundo divertido para toda a nossa volta, bem como para a nossa foto de grupo.

Participaram o amigo Zé Carlos, José Cavaca, Francisco Romão, e Armando Oliveira.

 

Saída da Covilhã com algum frio, mas se não fosse o vento estaría óptimo.

 

Aproveitei e tirei uma foto à nossa cidade com a Estrela coberta de neve.

 

Passagem na nossa Sra do Carmo.

 

Perto do Casteleiro, e o vento sempre a refrescar as nossas imaginações.

 

Esta é a bonita estrada que liga o Casteleiro a Escarigo.

 

Entrada no Escarigo.

 

A nossa mais que conhecida Capinha.

 

E às 14h 30m, novamente na Covilhã... bem a tempo de ir trabalhar.

 

A nossa tabela de amigos finaliza o post.

Alterações,,, Zé Carlos salta do 5º para o 3º lugar.

  

MAIS CICLISMO, NO PRÓXIMO SÁBADO.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:01

Amanhã há ciclismo.

Quarta-feira, 27.02.13

Afinal a chuva, a neve, e o frio vieram mesmo, não foi ficção!

 

Tal como se previa, a Quarta Feira não era indicada para a nossa tradicional volta.

 

Optamos por pedalar Terça e Quinta, aproveitando as horas mais quentes do dia.

 

Té manhã

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 06:34

Hoje, volta com tempo Primaveril.

Terça-feira, 26.02.13

Vale mais um na mão que dois a voar.

Aproveitando o bom tempo que fazia esta manhã, e o mau que se prevê para amanhã, decidimos, pelo sim pelo não, fazer uma voltinha pela Serra da Gardunha.

À partida apresentaram-se José Carlos, José Cavaca, e Armando Oliveira.

 

Subida do Souto Alto com 13 graus, temperatura que nos acompanhou em toda a volta.

 

Alguma neve ainda visível na Serra da Estrela.

 

Hoje era daqueles dias que se pedalava até ser noite.

 

Passagem na Capinha.

 

 A natureza é grande nas coisas grandes e grandíssima nas pequeninas!!!


Adoro pedalar pela Natureza em dias como hoje,,, revela-se como uma força poderosíssima.


Aqui já se subia a Gardunha... parece a direito e tinha 5%.

 

A meio da encosta a panorâmica da nossa Cova da Beira. 

 

Quase no alto da Gardunha,,, havia vontade de continuar a subir.

 

Obrigado Zé pela companhia,,, hoje até parecias outro!

 

Obrigado Armando,,, não desperdiças uma!!!

 

Termino com a imagem reflexo do que foi a nossa volta!!!

 

Luta renhida entre o 2º e 5º lugar... não faltem!

 

 

MAIS CICLISMO NA QUINTA FEIRA

 

SAÍDA DOS ARCOS ÀS 12h

PASSAGEM NA SRA DO CARMO ÀS 12h 30m

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 06:20

Amanhã há ciclismo!

Segunda-feira, 25.02.13

Previsões para o centro do País. Muito frio e queda de neve na Covilhã.

 

 

Previsões para Quarta não são nada animadoras, a ser assim amanhã há ciclismo.

 

SAÍDA DOS ARCOS ÀS 12H 30M

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 07:18

De Covilhã pelas Sarzedas.

Sábado, 23.02.13

Mais uma excelente volta com distintos companheiros!

Afinal os 160km não meteram medo, e muito menos o frio... pois fizeram parte desta etapa o nosso regressado Pedro Barroca, Guilhermino Pais, Armando Oliveira, Silvério Correia que também se estreia este ano na nossa companhia, José Carlos, Toni Pinheiro, Luis Filipe, Paulo Patrício, Diogo Fernandes, José Cavaca, e Marco Alves, que por motivos pessoais só fez parte desta volta, e serve de exemplo àqueles que dizem não nos poderem acompanhar porque as voltas são muito grandes,,, pois como vêm, a solução é fácil.

 

Manhã algo fresca à partida, mas confesso que já saímos com muito mais frio.

 

À passagem pelo Fundão o calor humano era desmedido.

 

No Souto da Casa já se expelia suor!

 

E no cruzamento de Casal da Fraga um momento muito aguardado...

A junção de três amigos, 2 vindos de Castelo Branco, o Pedro Barroca e Silvério Correia.

De São Vicente da Beira o Paulo Patrício.

 

Mas como neste ponto ainda havia 130km para pedalar, toca a dar aos pedais.

 

 

A nossa passagem em Almaceda.

O nome da freguesia aponta para o domínio muçulmano. Mazanido (aparece na doação de Cardosa) – palavra composta do artigo árabe al de maceda (palavra sincopada ou abreviada de maçaneda – que significa pomar de macieiras. À forma antiga de mazanido juntou-se o artigo árabe al, como era hábito. Matianetum – mazaneda – maçanedo – Almaceda. Como Almaceda se compõe de dois núcleos populacionais, Senhora da Graça e Espírito Santo, nascidas junto de duas antigas ermidas, será lícito perguntar se não houve relação entre estes templos e a origem e significado de Almaceda. Também há quem afirme que Almaceda vem de almazeida, que significa águas crescidas.

 

Um pouco mais à frente, a junção de mais um valentão,,, o nosso amigo Diogo Fernandes.

 

Agora venham de lá esses Vales bonitos.

 

E não é nenhum favor, pois aqui entrava-se numa zona singularmente bela!

 

Desde Vale Bonito, Vale de Ferradas, Vale de Maria Dona(foto), Azenha de Cima, até Sarzedas, são simplesmente Locais de  exterma tranquilidade.

 

Umas rampitas aqui e ali com alguma percentagem significativa, mas tudo se leva a pedalar.

 

E por fim entrava-se nas Sarzedas.

Distingue-se pelos traços de cor que lhe marcam as fachadas das casas rebocadas a caminho da Fonte da Vila. Antiga Vila e sede de Concelho, o seu Pelourinho, o Largo, as Igrejas e Capelas, sobressaem de uma malha urbana com casas de belo traçado e volumes grandiosos, que atestam a presença marcante da História da Vila e dos seus habitantes. 

 

Alguns aproveitaram para o desejado Cafézinho.

 

Este foi o ponto de mais baixa altitude da volta, a ponte sobre o Rio Ocreza.

 

Rio Ocreza e eu, foto do nosso comediante Silvério Correia.

E para quem não sabe, aqui fica...

Rio Ocreza, também por vezes referido como Ribeira de Ocreza é um rio portugues que nasce na Serra da Gardunha a 1160 m de altitude.


Agora seguia-se castelo Branco.


E a capital de distrito à vista.


Já na N18 rumo a Alpedrinha a boa disposição mantinha-se.


Mas a surpresa do dia estava na Soalheira... o Zé Carlos deixara previamente um saquinho com filhoses para o abastecimento no regresso!


A chegar a Alpedrinha, mais um amigo,,, Marco Alves.


E com o sabor das deliciosas filhoses, começava a subida da Gardunha.


Com sabor a pouco, a volta estava no seu términos. 

Todos gratos por todos fazerem parte de mais um grande dia de convívio e ciclismo.

 

Agora a nossa tabela de amigos ordenada.

 

 

 

MAIS CICLISMO AMANHÃ ÀS 9h NOS ARCOS

(Por motivos familiares não vou estar presente)


Boa Volta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 16:54

Amanhã é pelas Sarzedas!

Sexta-feira, 22.02.13

Mapa e perfil da volta.

 

Mapa.

 

Perfil.

 

(Volta ao pormenor)

 

JUNTA-TE A NÓS, NÃO VAMOS EM COMPETIÇÃO!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 05:34

Hoje, pela aldeia mais Portuguesa.

Quarta-feira, 20.02.13

Para esta volta à aldeia mais portuguesa apresentaram-se à partida, Fernando Caetano, Paulo Rodrigues, Armando Oliveira, Francisco Romão, Toni Ferreira, e eu José Cavaca. Mais tarde juntou-se o amigo José Carlos.

O percurso foi exatamente o planeado, totalizando 128 km de bom ciclismo.

 

Saída da Covilhã com alguma chuva, contrariando mais uma vez as previsões meteorológicas. 

 

Romão comentava com Toni os locais onde hoje pensava atacar,,, e atacou mesmo!!!

 

Cidade do Fundão, também com alguma chuva miudinha, dava-nos os bons dias.

 

Alto da Serra da Gardunha, hoje subida a muito bom ritmo.

 

Rolava-se agora para uma das aldeias mais históricas da região,,, Proença-a-Velha.

 

Com uma vida que ronda seguramente os mil anos, Proença-a-Velha é uma das mais antigas povoações de Portugal. Temos notícia da sua existência desde os alvores da nacionalidade, quando o rei Afonso Henriques desenvolvia a sua política de recuperação e povoamento indispensáveis à identidade geográfica do seu reino.  Num Crescimento inequívoco até ao séc. XVI, a vitalidade de Proença viria progressivamente a decair até que, em 1835, lhe foi retirado o estatuto de Concelho. Mas a sua gente continuaria, no labor quotidiano, a escrever páginas da mesma História.


Seguiu-se Medelim, a Aldeia dos Balcões.

Medelim guarda no seu interior segredos que são fruto de uma história antiga que remonta ao tempo dos romanos.
Repovoada por D. Sancho I, foi priorado da apresentação do marquesado de Cascais e sede de concelho, com Câmara e Justiça próprias, do que restam ténues vestígios.
 
 
E Monsanto, mesmo rodeado de nevoeiro começava a avistar-se. 
 
 
Tão dura como bela, é esta subida para Monsanto.
 
A meio da encosta tomei esta imagem onde se avista Relva, Cidral e Salvador ao fundo.
 
Cá do alto, no miradouro, a nosso registo para a história,,, a foto família.
 
Capturei ainda algumas bonitas imagens desta bonita aldeia.
Durante séculos, Monsanto foi sendo minuciosamente esculpida num vasto cabeço rochoso. O génio humano temperado com a devida tenacidade foi dando forma a altares, sepulturas e casas. O que resultou num todo arquitectónico harmonioso e coerente a que não se pode ficar indiferente.
 
 
Nas últimas décadas, Monsanto tornou-se popularmente conhecida como "a aldeia mais portuguesa de Portugal", exibindo o Galo de Prata, troféu da autoria de Abel Pereira da Silva, cuja réplica permanece até hoje no cimo da Torre do Relógio ou de Lucano.


 

Esta é já a descida de Monsanto para Relva.

 

Aqui, em Salvador, a despedida a Monsanto, agora bem mais visível sem o nevoeiro.

 

Em Penamacor, juntou-se à festa o nosso amigo José Carlos.

 

Perto do final da volta, uma foto à ultima subida do dia... Souto Alto.

 

E com a Covilhã à vista, fica o desejo de que a próxima volta venha depressa.

 

Como não há duas sem três, aí está o nosso 3º homem.

A chegar ao Refúgio, esta criatura limpa as valetas, trabalho que alguns não fazem há muito!

 

Termino com a nossa habitual lista de amigos.

Paulo Rodrigues sobe 5 lugares, Toni e Caetano sobem um lugar. 

 

 

MAIS CICLISMO NO SÁBADO,

VOLTA POR SARZEDAS E CASTELO BRANCO. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 14:04

Amanhã é por Monsanto!

Terça-feira, 19.02.13

(Perfil da volta)

 

(Mapa)

 

 

(Volta ao pormenor)

 

PARTIMOS DOS ARCOS ÀS 8h.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 05:37

Hoje, volta hidratante!!!

Domingo, 17.02.13

Esta manhã compareceram para uma refrescante e hidratante volta, Armando Oliveira, Francisco Romão, Helder Torres, e eu José Cavaca.

Pedalamos por Covilhã, Fundão, Alto da Gardunha, Capinha, Peroviseu e Covilhã.

Percurso nada duro, podemos até garantir que chegamos bem frescos.


Esperava-se mais amigos nesta volta Domingueira...

São estes pequenos "sofrimentos" que nos preparam para as grandes Voltas!!!

 

À saída do Fundão, um gesto da natureza que nos acompanhou até casa.

 

Para os amigos das "bonificações", informo que só manhãs como esta dão direito a tal!

 

Início da subida da Serra da Gardunha.

 

Escalada em ritmo de recuperação activa... e muito se falou!!!

 

Com uma luz de esperança para que Quarta Feira esteja uma ótima manhã, termino a volta.

 

Na nossa lista de amigos, a registar a subida de 24º para 22º lugar do amigo Helder Torres.

 

MAIS E BOM CICLISMO, NA PRÓXIMA QUARTA FEIRA.

 

ATÉ LÁ UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 13:12

Uma volta por terras repletas de história.

Sábado, 16.02.13

Desejosos para pedalar por terras históricas como Orca, Proença-a-Velha, Idanha-a-Nova, e Idanha-a-Velha, possuidoras de um vasto património e de incalculável valor arqueológico,,, Marco Alves, José Cavaca, Guilhermino Pais, Luis Filipe, Armando Oliveira, Sebastião Aparício, Paulo Patrício, Francisco Romão, e Pedro Santos. Juntaram-se em Aldeia de João Pires, Gonçalo Rito, José Carlos, e João Dias Santos.

Foram 144km espantosos por terras de outros tempos!

 

Partida da Covilhã às 8h em ponto,,, 0 graus e muito nevoeiro.

 

No Fundão era outro clima,,, é a minha terra!

 

Alto da Gardunha, e a musica agora era outra.

 

Passagem na aldeia da Orca.

Há evidências arqueológicas que habitantes do Mesolitico pecorreram esta região entre 8000/7000 AC. No entanto desconhecemos se essa presença era permanente ou meramente temporária. Hoje nós, foi só de passagem.

 

Aqui deixamos a N233, para pedalar rumo à Idanha.

 

 

Entrada em Idanha-a-Nova.

 

Vila sede de concelho, composto por 17 freguesias, é o segundo maior concelho do país, em termos geográficos.

As suas origens históricas não se conhecem com precisão, mas pensa-se que a construção do Castelo, em 1187, por Gualdim Paes, mestre da Ordem do Templo, constitui um marco importante. Em 1206, D. Sancho I, atribui-lha o título de vila e para a distinguir da antiga Idanha-a-Velha (Egiptânia), denominou-a de Idanha-a-Nova.

 

Seguiu-se a Sra da Graça.

 

E aqui na Sra da Graça começava a subidita do dia.

 

Para trás ficava Idanha e Sra da Graça.

 

Esta é já a N332 em Alcafozes.

 

Monsanto ao nosso lado direito.

 

Aqui em baixo à direita a lindíssima Idanha-a-Velha, pequena aldeia de ambiente pitoresco, pelo notável conjunto de ruínas que conserva. ocupa um lugar de realce no contexto das estações arqueológicas do País. Ergue-se no espaço onde outrora existiu uma cidade de fundação romana (séc. I a.C.), inserida no território da Civitas Igaeditanorum, tendo sido, mais tarde, município romano. Uma inscrição datada do ano 16 a.C., onde consta que Quintus lallius, cidadão da Emerita Augusta (Mérida) "deu de boa vontade um relógio de sol aos Igeditanos", testemunha a existência no núcleo urbano nesse momento cronológico. Em 105, a povoação aparece referida numa inscrição da monumental ponte de Alcântara - importante obra de engenharia romana - como um dos municípios que contribuíram para a sua construção. Diversos vestígios evidenciam, ainda hoje, essa permanência civilizacional: entre outros, o podium de um templo no qual assenta a Torre dos Templários; a Porta Norte e respectiva muralha; um conjunto excepcional de lápides funerárias e variado espólio disperso.

Meus amigos, sobre esta aldeia ficaria aqui toda a tarde a escrever.

 

Aldeia de João Pires

Fica situada a 9 kms a sul de Penamacor, sede de concelho.
Circundam-na as freguesias de Aldeia do Bispo (2 kms), Aranhas (3 kms), Salvador (6 kms) e Medelim (7 kms - Idanha-a-Nova).
O topónimo da freguesia atribui-se, segundo a lenda ao facto de um homem abastado, nesta terra, de nome João Pires, residente em Monsanto (ou no Alentejo) ter sido assassinado pelos habitantes da povoação (Aldeia de João Pires).


Na Aldeia do Bispo, mais um homem com muita pedalada.

 

E Penamacor à vista.


Esta é já a estradinha para a Capinha... o nosso Rito comanda.


Primavera à vista!!!


 "Variante" à Capinha bem colorida.


Patrício e Rito ao fundo deste bonito postal natural.


E a nossa histórica e espantosa volta estava a terminar.


Chegada ao nosso privativo PARK!

THE END


Segue-se a nossa habitual tabela de amigos.

 

MAIS CICLISMO AMANHÃ ÀS 9h NOS ARCOS.

(Se não chover)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 14:47


Pág. 1/3