Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Transmissão.

Quarta-feira, 03.03.10

Relações de transmissão

A idéia por trás das engrenagens múltiplas  numa bicicleta, quer sejam do modelo de 10 mudanças ou uma mountain bike, é fazer com que alteres a distância percorrida pela bicicleta a cada pedalada. Por exemplo, uma bicicleta normal tem rodas com 66 cm de diâmetro. A menor relação de transmissão de uma bicicleta pode ser uma engrenagem dianteira com 22 dentes e uma traseira com 30 dentes. Isso quer dizer que a relação é de 0,73 para 1 (a roda traseira gira 0,73 vezes a cada pedalada). Em outras palavras, para cada pedalada, a bicicleta move-se 152 cm (cerca de 5 km/h se estiver pedalando a 60 rpm). Já a maior relação de transmissão de uma bicicleta pode ser uma engrenagem dianteira com 53 dentes e uma traseira com 11 dentes. Com rodas 28X23, essa bicicleta vai-se mover a 1014 cm a cada pedalada, e se mantiver 90 rpm, pode atingir a velocidade de 59 km/h. Uma faixa que vai dos 5,4 km/h para os 59 km/h é algo fantástico, pois deixa o ciclista subir a Ramela, ou correr quase tão rápido quanto um carro.

 

As engrenagens dianteiras são chamadas de pedaleiras e a maioria das bicicletas tem duas ou três coroas.

 

Esta é a roda livre, onde estão os  carretos.

 

A roda livre tem de 5 a 10 engrenagens, dependendo da bicicleta. E o interessante é que as rodas livres podem girar em uma direção, mas travam na outra. Isso permite que o ciclista escolha entre pedalar ou não, situação na qual dizemos que a bicicleta anda em ponto morto (outra função que o triciclo e as bicicletas antigas não possuem).

 

Para mudar de carreto, as bicicletas possuem mudanças traseiras e dianteiros. Abaixo, podemos ver a foto de uma mudança traseira.


 

A mudança traseira possui dois pequenos pinhões que giram livremente. A função do braço e do pinhão inferior é exercer tração sobre a corrente. O pinhão e o braço são ligados a uma mola para que o pinhão empurre a corrente para trás o tempo todo. Conforme vais mudando de marcha, vai notar que o ângulo do braço se modifica para tensionar ou afrouxar a corrente.


 

O pinhão superior fica próximo à roda livre. Quando selecionas as marchas, esse pinhão se move para uma posição diferente na roda livre e arrasta a corrente com ele.


A corrente desliza naturalmente de uma engrenagem para a outra conforme  giras os pedais.O funcionamento de uma bicicleta é simples e é isso o que a torna uma máquina tão fantástica de se usar, além de ser também uma obra-de-arte mecânica!

 

Amanhã saída dos Arcos às 9 horas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 08:38