Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Covilhã, C. Branco, Zé da Mata e Covilhã

Quarta-feira, 30.01.08

« São mais as conjunturas do que as certezas sobre a forma como nasceu Castelo Branco. Vestígios exumados provam que houve ali um povoado romano de algum relevo. (...) No entanto, durante os séculos dos bárbaros e o tempo dos mouros, toda a região caiu em mortório, terra de fronteira exposta às violências de todos. No tempo de D. Sancho I chamava-se Cardosa à terra coberta de ruínas e matagais onde depois se veio a construir Castelo Branco. Em 1214, o Rei de Portugal, D. Afonso II, doou à Ordem do Templo a parte que tinha aquelas terras. No ano seguinte, o Papa Inocêncio III confirma a régia doação, e diz que "os templários tinham fundado, na fronteira dos mouros, uma vila e fortaleza, no sítio da Cardosa, a que eles deram o nome de Castelo Branco". Este último texto é uma das amargas obrigatórias de todos os historiadores da cidade: quem a fundou foram os templários, o nome antigo era Cardosa mas os Cavaleiros mudaram esse nome para Castelo Branco.

Saí do Refúgio pelas 8h 15m rumo a Fundão, Alpedrinha, C. Branco, Bicicletas do Amieiro, Alpedrinha, Fundão e Covilhã.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por José Cavaca às 22:54